Artigo Dr. João Couto na Revista R

Artigo Dr. João Couto na Revista R

Em sua recente edição, a Revista R publicou um artigo sobre “Hérnia: você também poderá ter uma” devido ao grande número de incidências de hérnias nas pessoas no decorrer de suas vidas.

Leia a matéria na íntegra abaixo:

“Li esta frase em um material de um distribuidor de produtos para reparos de hérnias – de fato, ela “denuncia” ou faz um prognóstico da grande incidência de hérnias nas pessoas no decorrer de suas vidas.

No Brasil não temos uma estatística exata e atualizada do número de pessoas que possuem ou ja possuiram hérnias, mas segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE – 2009), aproximadamente 5,4 milhões de pessoas sofrem de hérnia em nosso país.

Mas o que realmente significa essa doença?
Trata-se de um ‘ponto de fraqueza’ ou uma abertura da parede abdominal causada por um enfraquecimento ou rompimento da musculatura do abdômen. Ocorre por defeitos congênitos ou adquiridos (esforço físico, traumatismos ou incisões cirúrgicas).

De fato, Hérnia é “um ponto fraco do abdômen”. Ela ocorre quando um órgão empurra através de uma abertura no músculo ou tecido que mantém no lugar. Por exemplo, os intestinos podem romper uma área enfraquecida na parede abdominal. As hérnias mais comuns são no abdômen, mas elas também podem aparecer na parte superior da coxa, umbigo, e áreas próximas a virilha. A maioria das hérnias não são necessariamente fatais, mas elas não vão embora por conta própria assim sendo, ao existir, é necessário uma cirurgia de reparo para prevenir complicações potencialmente perigosas.

Dentre os tipos de Hérnias temos como mais frequentes: as Hérnias inguinais representando cerca de 70 por cento de todas as hérnias no mundo, de acordo com o Centro de hérnia britânico (BHC). A Hérnia de hiato ocorre quando parte do estômago se projeta para cima através do diafragma. Ela é mais comum em pacientes com mais de 50 anos de idade. A Hérnia umbilical que pode ocorrer em crianças e bebês com menos de 6 meses de idade, quando os intestinos se projetam na parede abdominal perto de umbigo. Você pode notar uma protuberância no umbigo ou próximo, especialmente quando as crianças estão chorando. Uma hérnia umbilical é o único tipo que pode ”desaparecer” por conta própria, normalmente no momento em que a criança atinge cerca de 1 ano de idade. E, por último, a Hérnia incisional que pode ocorrer depois de uma cirurgia abdominal. Seus intestinos podem “forçar” na cicatriz da incisão ou seu entorno, onde o tecido estiver enfraquecido.

Mas como prevenir? Como não ter uma hérnia? Ou o que causa uma hérnia?
De fato, as hérnias são causadas por uma combinação de fraqueza e tensão muscular. Dependendo da sua causa, uma hérnia pode desenvolver-se rapidamente ou durante um longo período de tempo.

As causas mais comuns de fraqueza muscular incluem:

  • falha da parede abdominal – que é um defeito congênito
  • idade
  • tose
  • idade   
  • tosse crônica
  • danos causados por lesão ou cirurgia

Fatores que esticam o corpo, especialmente se os músculos são fracos, incluem:

  • estar constipado, o que faz com que você se esforce ao ter um movimento intestinal
  • estar grávida
  • levantamento de grandes pesos
  • ganhar peso de repente
  • tosse persistente ou espirros em sequencia

Em alguns casos, as hérnias não têm sintomas. De um modo geral, a pessoa não poderá saber que tem uma hérnia a menos que ela seja vista durante um exame de rotina ou um exame médico para um problema não relacionado. Por isso esteja atento e sempre consulte um médico quando tiver dúvida.

Opções de tratamento para uma hérnia
Querendo ou não, independente do tamanho da hérnia e/ou da gravidade dos sintomas, toda hérnia precisa ser tratada. Em alguns casos, o médico pode simplesmente monitorar a hérnia de possíveis complicações.

Existem algumas opções de tratamento, mas nenhuma delas “cura” a hérnia, no caso de não eliminar o desconforto, a cirurgia será indispensável.

Cirurgia
Um cirurgião especializado pode decidir qual é a melhor forma e qual a cirurgia mais adequada para cada caso podendo ser com cirurgia aberta ou laparoscópica.

Complicações potenciais de uma hérnia
Se não tratada, a hérnia pode crescer, tornar-se dolorosa, ou ainda uma porção do intestino poderá ficar presa na parede abdominal. Se não for resolvido, o intestino não recebe fluxo de sangue suficiente, então ocorre o estrangulamento e isso pode fazer com que o tecido intestinal seja infectado. A hérnia estrangulada é risco de morte e requer cuidados médicos urgentes.

Perspectiva
É importante reconhecer os primeiros sinais de uma hérnia e buscar tratamento médico sempre, pois ela não vai desaparecer por “conta própria”.

artigo-revista-r-dr-joao-couto

Site Dr. João Couto – www.drjoaocouto.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *